terça-feira, abril 04, 2006

abracadabra


Entre fadinhas e bruxinhas às vezes parece não existir grande diferença.
Depois de um longo período afastada da cozinha, nos últimos tempos parece que encontrei no meio dos tachos uma espécie de terapia. Freud talvez pudesse explicar.
No outro dia, aliás noite... estava inspirada e fiz de uma assentada um lombo assado, batatinhas com natas ácidas, várias entradinhas, um clafoutis de maçã e uma nova versão do clássico chiffon de chocolate. Tudo para um lanchito...
Custou mais lavar a louça, do que tudo o resto. %-\


Chiffon de chocolate
200 gr de farinha
50 gr de maisena
275 gr de açúcar
50 gr de cacau em pó
3 colheres de chá de fermento
2 gemas
8 claras [eram pequenas, para aproveitamento]
6 colheres de sopa de óleo
8 colheres de sopa de água
1 colher de sopa de licor de tangerina
3 colheres de sopa de brandy

Para o recheio, é à escolha do freguês. Neste caso fiz um escuro e espesso creme de chocolate princesa.
200 gr de chocolate de culinária em tablete
200 ml de natas espessas
50 gr icing sugar
1 pitada de baunilha em pó

Num tijela juntar todos os ingredientes secos, de preferência peneirando para os misturar muito bem. Adiccionar por esta ordem: o óleo, as gemas, a água e os licores e bater até ficar uma massa cremosa.

Numa outra tijela bater muito bem as claras até estarem em castelo e muito duras.

Verter o conteúdo da primeira tijela por cima, lentamente e deixando a massa cair em fitas. Envolver com muito cuidado com uma espátula e em rotações verticais de baixo para cima para não rebentar as bolinhas de ar das claras. Não se pode bater!

Deitar numa forma não untada. Deve ser alta (±18cm x 10 cm), pois o bolo cresce muito.
Levar ao forno, previamente aquecido, e deixar cozer em temperatura moderada (± 150º). Deixar arrefecer com a forma invertida, apoiando-a em 2 ou 3 copos de forma ao ar circular por baixo. Se usarem uma forma com buraco, podem pendurá-la no gargalo de uma garrafa.

Para o recheio e cobertura
Derreter o chocolate em banho-maria.
Bater ligeitamente as natas com o açúcar e a baunilha e envolver o chocolate derretido até ficar um creme espesso e homogéneo.

Quando o bolo estiver completamente frio, despega-se da forma com uma faca muito fina, desenforma-se e cortar-se cuidadosamente ao meio para colocar o recheio. Montar o bolo, limpar as migalhas e está pronto a ser decorado.
Finalmente para a cobertura, mais uma vez as hipóteses são infinitas.
Neste caso usei também creme de chocolate para o topo do bolo e os lados foram cobertos com natas espessas batidas com icing sugar, uma pitada de baunilha e a little touch of pink colour :-D
Este bolo é francamente bom e pouco doce, deve ficar com uma textura muito leve, esponjosa e húmida.
Ah! e a rematar, coloquei uns moranginhos para celebrar a Primavera. Bom apetite!


[conheço 2 pessoas mestres em bolos chiffon: o meu compadre que consegue uns resultados espantosos ao rechear e decorar os bolos com natas simples e frutos silvestres e a D. Floripes, mãe de uma amiga de infância, que fazia os chiffons mais leves e gigantescos que alguma vez comi :-D]

Etiquetas: , ,

4 Comments:

Anonymous Anónimo said...

hummmm...água na boca....
k

abril 04, 2006 5:44 da tarde  
Anonymous Paula Migalhada said...

para variar, deve ser óptimo.
quando nos vemos
já tenho saudades

um beijo grande

abril 05, 2006 1:16 da tarde  
Blogger fada*do*lar said...

E que tal vires cá jantar?
Assim continuava a minha terapia gastronómica ;-D

bisous e saudades!

abril 05, 2006 11:13 da tarde  
Blogger Elvira said...

Está fantástico! Parabéns!

E o blogue, cada vez mais bonito. :-)

Beijinhos

abril 07, 2006 1:39 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

Mais recente›  ‹Mais antiga