quarta-feira, novembro 28, 2012

sobe, sobe, balão sobe

Há uns dias, estava a fada novamente numa varanda no Chiado, quando alguém na esquina da rua soltou um balão de hélio.
Não era um balão qualquer e não parecia ter fugido vilmente das mãos de uma criança distraída. Tinha a forma de um "balão de pensamento" cartoon style. Era formado por um balão grande, "fofinho" e recortado às ondinhas, e outros três mais pequenos amarrados ao longo do cordel.
Só consegui ler a missiva escrita no maior, qualquer coisa como "leva-te contigo, leva-me a passear". Se conseguisse, tinha aceite o convite, enquanto mentalmente fazia uma associação imediata à  canção da Manuela Bravo.
Lá foi ele, sozinho, a trepar pelos ares, iluminado pela luz do sol. Perdi-lhe o rasto quando desapareceu por detrás de uns telhados, mas alguns minutos mais tarde voltei a vê-lo, já lá longe, só um pontinho branco no céu, a grande altitude.
E voou, voou, sempre a subir, determinado em ir entregar a sua mensagem a algum passageiro de um Boeing 737. Bon voyage e que alguém tenha aceite o desafio.

Etiquetas:

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

Mais recente›  ‹Mais antiga