quarta-feira, junho 06, 2012

curto-circuito mental



Momento surreal do dia, ou como sentir-me estúpida durante meia-hora:
Na casa-de-banho tenho um candeeiro com 3 lâmpadas.
A primeira está, digamos, out of order há uns anitos... é mesmo assim, perfeitamente assumido, tem decoração a disfarçar e tudo.
A segunda, fundiu-se na semana passada.
Fiquei com a terceira, por si só lumínica o suficiente para continuar a pôr bâton ao espelho, e também suavemente lisonjeira para alimentar a ilusão de que metade das rugas desapareceram.
Mas esta manhã, puff, também se finou e as trevas engoliram-me na banheira.
Indo à caixa das lâmpadinhas de reserva (novas, entenda-se) retirei uma e iniciei a substituição. Ora enrosca para a direita, ora enrosca para a esquerda (por via das dúvidas...) e nada. Simplesmente não e-n-r-o-s-c-a-v-a. E tentei, tentei muito...
Eeeeeer, momento de pausa, e virei-me para o outro casquilho. O fenómeno repetiu-se. E ali fiquei desesperada, literalmente às voltas, a tentar atarrachar uma simplória lâmpada.
Com medo que um súbito ataque de senilidade me tivesse fulminado (muito a propósito), dores nos bracinhos há muito esticados e ainda a correr o risco de enfiar os dedos nos buracos que fazem tzzzzzzz (estava na penumbra, não se esqueçam), desisti e examinei a lâmpada à luz do dia.
E realmente, de ime
diato fez-se luz. A rosca (a lâmpada era nova relembro mas, suspeito, made-in-china) estava moída.
Aliviada (afinal a minha destreza motriz parecia ainda intacta), fui buscar outra lâmpada (também nova, saliento) e regressei aos casquilhos. Enroscou à primeira! Aleluia! Tarefa completada com sucesso, não fosse o facto de ao clicar no interruptor, a escuridão se manter.
Agora são os olhos... estou ceguinha
, pensei. Num último esforço a esbracejar, lá arranquei o raio da lâmpada (comprada seguramente na mesma loja da anterior) e inspeccionei-a de novo ao sol.
Adivinhem...
Fundida.
...
Bom, sem mais delongas no relato destas vicissitudes humilhantes e avassaladoras da auto-estima de qualquer fada, sumariamente informo que, neste momento o caixote do lixo está cheio de vidros, roscas e filamentos, mas que a casa-de-banho se encontra devidamente iluminada.
Ah! e sem recurso a velas.
Caso se estejam a interrogar, sei lá.

Etiquetas:

4 Comments:

Blogger laca said...

* luminescência *

http://pt.wikipedia.org/wiki/Luminescência

junho 07, 2012 4:06 da manhã  
Blogger fada*do*lar said...

*l*u*m*i*n*e*s*c*ê*n*c*i*a*

magnífica palavra, Laca!

é exactamente disso de que a fada precisa :)

junho 07, 2012 5:53 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

eheheeh, já tinha saudades das historietas do dia-a-dia de uma fada!
beijinhos
alice

junho 08, 2012 2:32 da tarde  
Blogger fada*do*lar said...

Alice!
Também já estava com saudades da minha dose diária de no sense assumido!
Bom, bom era também regressares às lides... ;D
bisous* bisous*

junho 08, 2012 3:55 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

Mais recente›  ‹Mais antiga